Quem Somos

O Centro InterculturaCidade actualmente é uma Associação sem fins lucrativos que tem como fim a acção cultural e o desenvolvimento local, a educação popular e a cooperação para o desenvolvimento enquanto factores de melhoria das condições de vida das populações e de requalificação dos seus habitats urbanos ou rurais. Conferindo atenção especial ás comunidades migrantes em Portugal e aos respectivos países de origem, propõe-se intervir de forma preferencial junto de sectores mais fragilizados dessas comunidades, numa perspectiva de incentivo da participação cívica, do empreendedorismo social, do inter-associativismo e da valorização das identidades e da diversidade enquanto factor positivo do desenvolvimento local.

Desenvolve actividades nos níveis local, nacional e internacional, nas áreas da investigação, da educação informal e não-formal, da formação contínua, profissional ou profissionalizante, da animação e da difusão sóciocultural e da cidadania intercultural.

História:

Foi criado em Lisboa em 2004 no âmbito do projecto com o mesmo nome co-financiado pelo Fundo Social Europeu através da Iniciativa Comunitária EQUAL, numa lógica de combate ao racismo e xenofobia e de valorização da diversidade cultural das comunidades presentes nos bairros históricos da Bica, Madragoa e Bairro Alto. Surge da necessidade identificada de apoio aos percursos socioprofissionais dos imigrantes bem como á valorização das suas culturas de origem, na perspectiva da dinamização de práticas interculturais como mecanismos de inserção social.

Por ele passaram, desde a sua entrada em funcionamento, largos milhares de pessoas das mais diversas origens. Nas suas acções e iniciativas estiveram e estão envolvidos ainda hoje sectores diferenciados de distintas comunidades migrantes bem como da população local das freguesias da área em que o centro está implantado.

Na sua origem esteve uma parceria de entidades (e pessoas) interessadas na problemática sociocultural relacionada com a diversidade, o combate ao racismo e xenofobia e os novos desafios colocados à sociedade portuguesa pelo aumento substancial da imigração. Compunham-na a Junta de Freguesia de Santa Catarina, a Frente Anti-Racista, a Associação Cultural Etnia, o Centro de Estudos Territoriais do ISCTE, a Associação Moinho da Juventude e a União dos Sindicatos de Lisboa.

Validação pelo Gabinete EQUAL

Após 2 anos de funcionamento, o Centro InterculturaCidade viria a ser validado pelo gabinete português da Iniciativa Comunitária Equal como Recurso para a promoção da Igualdade e da Diversidade Cultural, uma ferramenta para a promoção da inserção económica e social, para o empowerment, o empreendedorismo, o incremento das sociabilidades locais e o desenvolvimento, com base na  metodologia  EQUAL para a análise da qualidade e para a melhoria contínua dos projectos por si financiados.

Para essa validação concorreu significativamente a opinião dos peritos Equal  de que o percurso, a natureza e as propostas do Centro configuravam uma boa-prática  desenvolvida como um recurso técnico-pedagógico que incorporava os 6 “Princípios EQUAL” (Trabalho em Parceria, Inovação, Empowerment, Transnacionalidade, Mainstreaming e Igualdade de Género) e respeitava as dimensões da qualidade julgadas essenciais pelo EQUAL (inovação, empowerment, adequabilidade, utilidade, acessibilidade, igualdade e transferibilidade).

Artigos recentes

O CANTO DO CORPO – Oficina com María Vanedi

workshop-o-canto-do-corpo-page-001_211 Março | 16h – 19h
Destinada a profissionais das artes do espectáculo.
Participantes: 5 a 20
Valor da Inscrição: 35 €
Prazo de inscrição: 9 de Março

Inscreva-se AQUI

Objectivos
* Dar aos alunos ferramentas para fortalecer seu corpo e expressão cénica.
* Incorporar conceitos cénicos na música e musicais na actuação.
* Reforçar as competências como a escuta, atenção e trabalho em equipa.
* Socializar sobre as dificuldades mais comuns que enfrentam os músicos no palco.

Temas

  • Aquecimento antes do concerto.
  • A arte de estar. Abandonar-se.
  • Interpretação.
  • A linguagem corporal.
  • Aceitar, adaptar-se, avançar.
  • Escuta, percepção, propriocepção e intuição.
  • Solução a imprevistos.
  • Trabalho em equipa.

Metodologia

  • Rotina de aquecimento.
  • Socialização: Onde convergem música e actuação?
  • Conceitos musicais na actuação ou actuação na música: ritmo, interpretação, compreensão auditiva, intuição, trabalho em equipa, aceitar, adaptar-se, avançar, percepção, propriocepção.
  • Solução a imprevistos.
  • Leitura e interpretação dos textos das canções.
  • Exercícios de interpretação: Coerência entre o canto e o corpo. Máscaras.
  • O espírito da música, ser um canal. Deixar-se ir.

 

  1. Curso de Crioulo Caboverdiano a partir de 6 de Março Deixar uma resposta
  2. Aulas de Canto e Técnica Vocal Deixar uma resposta